|
Escrito por Super User
Acessos: 1836

Michal Kwiatkowski (Team Sky) venceu o prólogo Critérium du Dauphiné, terminando o percurso de 6,6 quilômetros em um tempo de 07:25. O campeão polonês de contra-relógio, derrotou Jos van Emden (LottoNL-Jumbo) por um segundo com Gianni Moscon, da Team Sky, completando os três primeiros.

A vitória de Kwiatkowski faz dele o primeiro líder de corrida, enquanto Moscon lidera a competição de jovens pilotos. Kwiatkowski não corre desde uma decepcionante corrida no Ardennes Classics no final de abril, e enquanto a vitória veio como uma surpresa, ele estava confiante de sua boa forma chegando à corrida.

"Depois de 40 dias sem correr, claro que é uma surpresa, mas sei o quanto eu estava treinando para estar em boa forma aqui no Dauphine e também me preparando para o Tour. Você sempre tem que começar a pensar sobre a vitória ou, caso contrário, você não será capaz de ter um bom desempenho ", disse Kwiatkowski antes de subir ao pódio.

Não foi bom para o Team Sky no primeiro dia, com Geraint Thomas caindo duante o percurso e perdendo mais de 20 segundos. Se ele não tivesse caido, Thomas teria estado perto, se não na frente, do tempo estabelecido por Kwiatkowski. Apesar disso, Kwiatkowski diz que ele e Thomas ainda compartilham a liderança no Team Sky.

"Eu sei onde isso aconteceu. Foi uma curva muito rápida e você tem que ser muito cuidadoso. Espero que ele esteja bem, porque eu sei que G pode lutar pela vitória nesta corrida. Espero que ele esteja bem", explicou. Kwiatkowski.

"Nós dois, Geraint e eu viemos aqui para ver como a forma está evoluindo antes do Tour e é claro que é minha vantagem vencer o prólogo, mas os estágios mais difíceis estão no final da corrida. Há alguns acabamentos difíceis nas montanhas e Com certeza, estamos ansiosos para correr muito, mas no momento eu só quero aproveitar essa vitória, foi meu aniversário ontem e esta é provavelmente a última tentativa do time na seleção nacional. Tentarei defendê-la nos campeonatos nacionais em algumas semanas, mas é sempre uma sensação agradável. "

Como se desdobrou

O Criterium du Dauphine de 2018 viu o retorno do prólogo com uma curta corrida de 6,6 km em torno de Valence. Os primeiros pilotos saíram logo após o meio-dia com Victor Campenaerts (Lotto Soudal) estabelecendo o primeiro marco com o seu tempo de 7:30. No entanto, seu tempo no topo não duraria muito tempo com Jos van Emden (LottoNL-Jumbo) levando sua boa forma para fora do Giro d'Italia e vencendo o belga por quatro segundos.

Van Emden desfrutou de um longo período no hotseat enquanto os contendores da classificação geral lutavam entre si. Vincenzo Nibali (Bahrein-Mérida) e Romain Bardet (AG2R La Mondiale) fizeram grandes esforços para terminar apenas um segundo à parte na classificação final. Julian Alaphilippe (Quick-Step Floors) foi um dos mais fortes pilotos da CG a perder apenas 14 segundos para o eventual vencedor Kwiatkowski.

Ficou claro que Kwiatkowski estava forte quando era o único piloto a igualar o tempo de Alex Edmonson (Mitchelton-Scott) no primeira passagem intermediária. Enquanto Edmondson desacelerou ligeiramente no segundo tempo, Kwiatkowski manteve o ritmo para superar Van Emden por apenas um segundo.

Thomas parecia que poderia bater seu companheiro de equipe na linha, mas tudo girou em forma de pêra quando ele dobrou a mão direita. A bicicleta de Thomas perdeu a dianteira e ele bateu no asfalto em alta velocidade antes de deslizar em uma cerca ao lado da estrada.

Ele teve alguns arranhões e um pouco da roupa rasgada, mas ele foi capaz de voltar na bike e rapidamente continuar sua corrida. No entanto, o acidente o colocou 21 segundos atrás e igual o tempo de Adam Yates e Pello Bilbao. O galês vai ver isso como uma oportunidade perdida de ganhar tempo com seus rivais.