|
Escrito por http://bicycling.com.br
Acessos: 11

O norte-americano Charles Scott McDonald gosta de ajudar ciclistas na mesma situação que a dele


Charles fazendo o que o diverte (Foto: Rob Annis)

Um acidente de trem custou o braço direito do norte-americano Charles Scott McDonald. Mas depois disso ele se tornou um mountain biker, pedalando com seus amigos pelas trilhas usando uma prótese, que é totalmente adaptada com partes de uma suspensão de bicicleta.

Charles é frequentemente o centro das atenções no pedais, mas muito menos por causa de sua deficiência e mais por conta de sua personalidade. Ele é um mountain biker que fala alto, é boca-suja e rápido nas piadas. Quando cai, volta imediatamente à bicicleta, e na maioria das vezes, gargalhando.

São características que o tornam um verdadeiro embaixador do mountain bike, assim como um defensor de outros atletas com deficiência. A seguir, juntamos alguns depoimentos de Charles Scott colhidos por seu parceiro de mountain bike, Rob Annis

O acidente que lhe custou o braço

“Meu amigo Mike e eu estávamos correndo em cima de um trem em movimento, pulando de um vagão para outro. Era apenas algo que fazíamos por diversão naqueles tempos [por volta de 1999]. Eu caí entre os vagões e acabei indo parar debaixo do trem. Provavelmente fiquei lá embaixo por uns 10 minutos, mas pareceu uma eternidade. Acabei perdendo meu braço direito e parte do meu dedo indicador esquerdo. E vários dos dedos restantes tiveram que ser reconstruídos.”

Leia também: Três história de superação através dos pedais

O começo no mountain bike

“Cerca de 10 meses após o acidente eu comecei a pedalar. Os médicos me deram muitos remédios, e eu engordei muito. Eu sempre fui um cara em forma – já fui corredor – e precisava voltar a fazer exercícios. Alguns amigos estavam pedalando, então eu decidi dar uma chance. Tentamos muitas coisas estranhas para tentar estabilizar a frente da bike – amarrando cordas ou bastões – mas sem sucesso. Então eu aprendi a andar com um braço só. Nunca foi uma questão de saber se eu poderia fazer, mas sim o quanto eu poderia andar mais do que da última vez.”

Paixão pelo esporte

“Quase imediatamente quis fazer do mountain bike parte da minha vida. A dor do membro fantasma me causa muito desconforto, e a primeira coisa que notei na bike foi o quanto me senti melhor. Também comecei a perder peso, indo de 113 kg para 81 kg. Eu estava me sentindo saudável novamente. E foi divertido.”

Charles em sua bike adaptada (Foto: Michelle Craig)

O braço protético

“Meus amigos fizeram uma campanha de financiamento coletivo para me ajudar a pagar este braço. É basicamente uma mistura de partes de bicicleta – a parte superior é uma escora de suspensão dianteira, e o cotovelo é uma suspensão RockShox. A parte inferior foi criada pelo médico e engenheiro Will Craig, e o restante foi modificado pelo mecânico local Marty Sanders, para se conectar à minha cinta de peito. Eu estou querendo saber se podemos adaptá-lo novamente e usar uma combinação de pedal de clip para se encaixar ao guidão e permitir eu ter um pouco mais de amplitude de movimento. Os cintos de peito são a parte mais cara. Nós testamos várias versões diferentes antes de encontrarmos uma que funcionasse bem.”

Ajudando mountain biker com deficiência

“As pessoas me visitaram quando eu estava no hospital. Era estranho na época, mas você percebe como é importante encontrar alguém que diz: ‘Isso não é nada.’ É bom ver alguém que é como você, por mais estranho que isso pareça.

Mas muito da minha conversa com esses atletas é sobre a configuração da bicicleta: ‘Eu coloco duas alavancas de freio ou uma?’ ‘Como eu manejo os passadores de marcha?’ Esse tipo de coisa. O que parece ser uma segunda natureza para mim, pelo tempo que eu tenho feito isso, é algo completamente novo para outras pessoas.”