|
Escrito por Super User
Acessos: 59

Dan Martin (EAU Team) venceu a etapa 5 do Critério do Delfim em Valmorel, enquanto Geraint Thomas (Team Sky) assumiu a liderança na geral, depois de ficar em segundo lugar atrás do irlandês no topo da subida fora de categoria até o final. Em terceiro ficou o britânico Adam Yates (Mitchelton-Scott).

Martin escolheu seu momento sagazmente quando lançou um forte ataque com menos de três quilômetros do final, pouco depois de Adam Yates (Mitchelton-Scott) ter estilhaçado o grupo da frente com um movimento de sondagem que só Thomas, Romain Bardet (AG2R La Mondiale) e Martin poderia seguir imediatamente.

Quando o ritmo diminuiu brevemente, Martin abriu o caminho e rapidamente estabeleceu uma liderança sobre os remanescentes do grupo da frente, onde Tao Geoghegan Hart, do Team Sky, fez outra aparição impressionante sobre este Dauphiné, assumindo o controle em apoio a Thomas. Seu companheiro de equipe e líder da noite, Gianni Moscon, estava entre aqueles irremediavelmente aleijados nas costas, com o italiano cedendo mais de um minuto no topo.

"Eu sabia que se eu atacasse, eles poderiam me deixar ir porque eu estava um pouco mais atrás na classificação geral depois do contra-relógio por equipes, então aproveitei a oportunidade", disse Martin. "Eu vi que todos estavam no vermelho depois que Yates atacou e eu objetivei que tentaria. Fiquei surpreso com o quão forte eu estava nos últimos três quilômetros lá."

A vantagem de Martin de 13 segundos quando se aproximava do flamme rouge tinha todas as aparências de uma margem vencedora, mas ele teve que resistir a uma reação tardia de Thomas, que acelerou violentamente uma vez que Geoghegan Hart havia se retirado.

Bardet foi o único piloto capaz de seguir a movimentação de Thomas, mas sua resistência durou pouco, quando o galês se afastou dele no grande ringue e começou a fazer incursões dramáticas na liderança de Martin, enquanto a estrada se aproximava da ladeira.

Apesar de quase fazer uma pausa para comemorar um pouco cedo demais, Martin teve o suficiente para ganhar por 4 segundos de Thomas. Yates ficou em terceiro no estágio, 15 segundos atrás, logo à frente de Emanuel Buchmann (Bora-Hansgrohe), Dani Navarro (Cofidis) e Bardet (Ag2R).

Martin passou por uma campanha de estréia mista nos Emirados Árabes Unidos. Depois de uma primavera contida, ele parecia ter batido o passo em Liège-Bastogne-Liège apenas por um furo para terminar seu desafio ao pé do Côte de Saint-Nicolas. O Dauphiné é sua primeira corrida desde que chegou em 10º no Tour de Romandie, e seu segundo lugar atrás do ex-companheiro de equipe Julian Alaphilippe (Quick-Step) na quinta-feira (07/06) foi uma indicação de sua forma.

Ainda há mais duas etapas nas quais Martin pode esperar subir de sua 14ª posição no geral, mas não importa como seu Dauphiné termine, Martin se aproximará do Tour de France - onde ele ficou em 6º no ano passado - impulsionado por suas performances a este ponto.

"Tem sido uma temporada difícil para mim e para a equipe. Estou me sentindo bem o ano todo, mas não deu certo, então é fantástico trabalhar hoje", disse Martin. "Estou realmente surpreso. Meu treinamento foi perfeito nas últimas semanas, mas eu não planejei estar no topo, na melhor condição aqui. Meu desempenho tem sido um pouco surpreendente e estou muito feliz. Eu preferia estar nessa posição, então, estar em dificuldade e se preocupar com o Tour. "

Na classificação geral, Thomas agora detém uma liderança de 1:09 sobre Damiano Caruso (BMC), que ficou em 7º aos 24 segundos no estágio. Moscon está em terceiro lugar no geral, ao mesmo tempo que Caruso.

O lugar de Thomas no topo da hierarquia Team Sky para o restante do Dauphiné agora está claro, depois que Michal Kwiatkowski caiu para 5ª geral em 1:15. Adam Yates continua a ser uma ameaça em sexto lugar às 1:18, enquanto Bardet está agora a 1:53 do ritmo em 7º da geral.

Como se desdobrou

A brevidade do estágio e a subida da Côte de Naysord nos quilômetros de abertura fizeram com que o aquecimento dos rolos fosse de bom tamanho para o pelotão do Dauphiné no início de Grenoble. Assim que a bandeira foi lançada, houve uma enxurrada imediata de ataques, mas ao contrário da quinta-feira, a fuga inicial conseguiu se livrar do grupo sem dificuldades.

Cerca de 30 ciclistas estavam inicialmente em movimento, mas foi reduzido a nove homens no Naysord, onde o líder das montanhas Dario Cataldo (Astana) liderou por cima. Cataldo juntou-se ao grupo da fuga com Bruno Armirail (Groupama-FDJ), Laurens de Plus (Pisos Quick-Step), Edward Ravasi (EAU Team), Nicolas Edet (Cofidis), Matteo Fabbro (Katusha-Alpecin), Alexis Gougeard ( AG2R La Mondiale), Carlos Verona (Mitchelton-Scott) e Thomas De Gendt (Lotto Soudal).

Chegou a segunda subida a do Côte de Mouilles depois de 20 quilômetros, os fugitivos tinham uma vantagem de dois minutos sobre o pelotão, onde o Team Sky estava ditando o ritmo em defesa da liderança geral de Gianni Moscon. O efervescente Edet conduziu Cataldo ao máximo de pontos sobre o Mouilles, e o italiano optou pouco depois por se sentar e esperar pelo pelotão principal.

Seguiram-se quase 100 quilômetros de estrada no vale, durante os quais a fuga acolhia sua distância máxima de três minutos antes da Bora-Hansgrohe colocar os ombros no volante e ajudar a traze-los de volta. Heinrich Haussler, do Bahrein-Merida, foi proeminente em trabalhar para reduzir a diferença para dentro de um minuto na aproximação final à subida a Valmorel.

Uma vez na subida, De Plus acelerou, trazendo Edet e Ravasi com ele, enquanto Sky tomou as rédeas novamente na cabeça do pelotão, com o especialista em Clássicas Dylan van Baarle andando nas encostas mais baixas para reduzir o grupo de favoritos.

Mitchelton-Scott assumiu o meio caminho até os 11km até o final, com Robert Power e Damien Howsen pegando Edet, o último sobrevivente da fuga. Marc Soler (Movistar) testou as águas com um ataque a 3,7 quilômetros de casa antes que a tão esperada aceleração de Yates chegasse pouco depois.

Esse ataque ajudou a definir o estágio do dia, com Moscon escorregando para trás enquanto o grupo da frente se fragmentava, perdendo por último 1:13 no estágio. Vincenzo Nibali (Bahrein-Mérida) chegou em 16º no estágio, 59 segundos abaixo, praticamente em linha com seu histórico de manter um perfil relativamente baixo no Dauphiné enquanto se prepara para o Tour.

À frente, entretanto, a agressão de Martin foi recompensada com a sua primeira vitória desde a fase de abertura do Volta ao Algarve do ano passado, enquanto Thomas se colocou numa posição de liderança no topo da classificação geral, embora existam dois dias curtos e potencialmente explosivos nas altas montanhas. ainda por vir, começando com a perna de sábado para o La Rosière, um ensaio para a etapa 11 do Tour de France.